Catégories
Uncategorized

1ª Edição “Baião in Lisboa Festival” Homenagem a Luiz Gonzaga

 

Culturabrazil-europa – Quando e como surgiu a idéia do Festival?

 
Enrique Matos – O “Baião in Lisboa Festival” acontece de 13 a 16 de Dezembro 2012. Surgiu do imenso prazer de apresentar ao público português essa cultura tão rica e desconhecida pela maioria, quando se fala em Forró, a maioria leva pelo lado pejorativo da palavra, quando se fala em Baião a maioria desconhece o termo, em Lisboa já temos muitos adeptos e a idéia de realizar um Festival em Portugal que tenha Luiz Gonzaga e o Baião como tema principal nasce de uma pessoa que acredita no potencial cultual desse ritmo, deseja que ele seja conhecido na capital portuguesa. O mais importante e histórico é saber que o Baião tem origens cá, pois nasceu na fusão do Fado e do Maracatu, como relata a música, Braia Dengosa de Luiz Gonzaga e Zé Dantas.

 

CBE – O que especificamente irá acontecer no Festival?

E.M – O intuito do “Baião in Lisboa Festival” é fazer com que mais pessoas se apaixonem por esse ritmo tão brasileiro. Os participantes poderão presenciar um braço forte da cultura brasileira em sua plenitude, será realmente uma viagem pela obra, história e ritmo que Luiz Gonzaga popularizou ao longo dos mais de 50 anos de carreira, tudo isso com muita dança música, alegria e descontração.


CBE – O evento é uma homenagem ao saudoso Luiz Gonzaga. O que rei do Baião representa para Enrique?

E.M – A figura mítica de Luiz Gonzaga esteve presente na minha vida desde a infância, às vezes nem acredito que não o conheci, com o passar do tempo foi se tornando mais e mais forte, quando comecei realmente à me aprofundar na história de vida e obra do Rei do Baião, descobri um universo musical gigantesco, Luiz Gonzaga foi um dos pilares mais fortes da música popular brasileira, sem sombra de dúvidas, o artista mais popular que o Brasil já conheceu, estou completamente feliz em realizar o “Baião in Lisboa Festival” nesse âmbito, homenagear esse grande artista no ano do seu centenário de mostrar à todos como se dança o Baião!

 

CBE – O evento terá duração de quatro dias. Onde irá acontecer as atividades?

E-M – Durante o dia todas nossas atividades acontecerão na Fábrica do Braço de Prata -um espaço com fortes características culturais, o espaço se identifica muito com nosso evento, os concertos se realizarão em diferentes espaços para que os participantes vindos de outros países tenham a oportunidade de conhecer outros espaços culturais em Lisboa, tais como; Teatro do Bairro onde realizamos mensalmente o “Baião in Lisboa”, B-Leza, teremos mais um espaço para os concertos mas ainda não está definido.

 

CBE – Que tipo de atividades o público irá ter nesses dias de festa da cultura brasileira?

E.M – Nesses três dias e quatro noites do “Baião in Lisboa Festival”, o participantes farão uma viagem pelo Baião que passa por workshops de dança (Forró, Samba, Frevo, Ciranda), workshop de percussão (zabumba, triângulo), oficina de Maracatu, exposição de pintura em homenagem ao centenário de Luiz Gonzaga, mostra de documentários, Literatura de Cordel, comida típica e artesanato.

 

 

CBE- A programação está voltada para adultos ou terá atividades para público infantil?

E.M – A programação está voltada para adolescentes e adultos, mas nada que impeça os baixinhos de comparecerem, acompanhados pelos pais como já é normal. Temos visto os pequenos durantes os bailes que realizamos na Avenida da Liberdade e no Martin Moniz.

 

CBE – Terás grandes participações de artistas brasileiros que vivem cá, e do Brasil virá alguém. Quem?

E.M – Teremos a participação de artistas radicados em Portugal como é o caso de Rogerinho do Acordeom e a cantora Raquel Brasil que são do Rio Grande do Norte mas vivem e desenvolvem seu trabalho no Porto, o sanfoneiro Paulo Fonseca que é de Belo Horizonte que vive e toca forró em Coimbra, O Bando de Ujuara com os músicos Marcos Bifão (ES) e Pablo Dias (MG) que residem em Lisboa, do Brasil teremos a participação do Trio Mafuá (ES) com Higo Rafael e Fabrício Rosa que também lecionarão uma das oficinas de percussão, acompanhados pelo sanfoneiro Jorge Donadeli (SP) e o cavaquinista Thiago do Santos (SP). E certamente muitas surpresas, e participações especiais vêm por aí.

 

 

CBE – Os participantes do evento irão receber algum cachê?

E.M – Sim, embora não conseguimos qualquer apoio para a realização desse evento, cada participante sendo ele músico, DJ, professor, terão um cachê mínimo estabelecido.

 

CBE – Depois de Lisboa, pretende realizar o festival em outra cidade da Europa, qual?

E.M – Ainda não penso em levar esse evento para outro país, mas nada de descartar qualquer possibilidade, com certeza se a oportunidade aparecer iremos aproveitá-la da melhor forma possível, mas no momento nos concentramos em Lisboa, nosso objetivo é este evento venha fazer parte do calendário cultural da capital portuguesa.

 

 Luiz Gonzaga – Músico brasileiro

 

Luiz Gonzaga (1912-1989) foi músico brasileiro. Sanfoneiro, cantor e compositor, recebeu o título de « Rei do Baião ». Foi responsável pela valorização dos ritmos nordestinos, levou o baião, o xote e o xaxado, para todo o país. A música « Asa Branca » feita em parceria com Humberto Teixeira, gravada por Luiz Gonzaga no dia 3 de março de 1947, virou hino do nordeste brasileiro.

 

BAIÃO IN LISBOA FESTIVAL 2012  de 13 a 16/Dez.


Durante o dia – Atividades na  Fábrica do Braço de Prata 


Rua da Fábrica de Material de Guerra, nº1, 1950-128 Lisboa


CONCERTOS  –  Santiago Alquimista – Rua de Santiago,19B, Alfama 1100 Lisboa


Sucessos de Luiz Gonzaga – Asa Branca

Quando « oiei » a terra ardendo
Qual a fogueira de São João
Eu perguntei a Deus do céu, ai
Por que tamanha judiação

Eu perguntei a Deus do céu, ai
Por que tamanha judiação

Que braseiro, que fornaia
Nem um pé de « prantação »
Por farta d’água perdi meu gado
Morreu de sede meu alazão

Por farta d’água perdi meu gado
Morreu de sede meu alazão

Inté mesmo a asa branca
Bateu asas do sertão
« Intonce » eu disse, adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração

« Intonce » eu disse, adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração

Hoje longe, muitas légua
Numa triste solidão
Espero a chuva cair de novo
Pra mim vortar pro meu sertão

Espero a chuva cair de novo
Pra mim vortar pro meu sertão

Quando o verde dos teus « óio »
Se « espaiar » na prantação
Eu te asseguro não chore não, viu
Que eu vortarei, viu
Meu coração

Eu te asseguro não chore não, viu
Que eu vortarei, viu
Meu coração

 

 

 

 

 

 

 

 Fotos: Bruno Herculano & culturabrazil-europa